Pesquisar este blog

segunda-feira, 9 de março de 2015

(Mal) DITO, DITO!

por Sarah Camilo

Quando um silêncio se prolongar é porque está dizendo algo

Espere mais um pouco. Sente aqui e vamos conversar. Quer café? Acabei de fazê-lo! Um cigarro? Não vá embora sem antes resolvermos essa “imparcialidade”. Sem antes resolver esse silêncio “(mal) dito” que, na verdade, eu sei que está dizendo algo, mas é que prefiro ouvir sua voz.

Que tal ouvirmos Muse? “You electrify my life. Lets conspire to ignite. All the souls that would die just to feel alive”. Vamos viajar esse fim de semana? Silêncio!

Nada além de silêncio e perguntas respondidas, sem mais. É só isso e pronto. Pronto! Os devaneios da vida é algo que fica difícil compreender, por isso passamos por situações que, se não fosse uma “força superior”, poderíamos evitar futuros fracassos com o nosso não a nós mesmos.

Tomo meu café e fumo meu cigarro só. Convite recusado! Agora escrevo com a esperança de simplesmente colocar para fora a covardia que me restara. Aos poucos as coisas voltam para o lugar. Coração bate normalmente. Nada de insônia ou vontades. Tudo passa. Está passando... Será? O ato de escrever já é uma lembrança.  


Pois é! Agora você é só uma lembrança. Até que uma lembrança bonita. Tudo é passageiro, até mesmo a própria lembrança